Skip to main content
Gestão

Blog da JET entrevista: Tiago Baeta

By 14/09/2011abril 8th, 2022One Comment

Com um livro feito para divertir e informar, o projeto E-commerce Brasil dá mais um passo em representatividade no setor. Lançada no dia 27 de agosto, durante o evento Fórum E-commerce Brasil, a obra é um compilado de 35 crônicas e sempre fez parte dos planos do projeto. E-Commerce Brasil: Histórias do Comércio Eletrônico Brasileiro ainda não está à venda. Enquanto isso, curta no Blog da JET a entrevista realizada com Tiago Baeta, o idealizador do projeto de e-commerce, que fala das pretensões do livro, do cenário do comércio eletrônico brasileiro e assinala: poderíamos crescer mais, juntos, se houvesse mais troca de informação e experiência entre os principais players.

Tiago Baeta é Diretor Executivo do Grupo iMasters, incluindo o projeto E-Commerce Brasil. Administrador, com especialização em Economia, autor de 2 livros, curador e jurado de diversos eventos e premiações de TI no Brasil.

Blog da JET – Publicar um livro sempre foi parte das ambições do projeto E-commerce Brasil? Como surgiu a ideia?
Tiago Baeta – Sim. Ainda em 2010, durante o Fórum E-Commerce Brasil, era muito comum ouvirmos nos bastidores histórias maravilhosas sobre o comércio eletrônico no Brasil. Surgiu então a ideia de produzir um livro reunindo algumas crônicas de especialistas de e-commerce, contando um pouco desse mercado.

Blog da JET – O nome E-commerce Brasil: Histórias do Comércio Eletrônico Brasileiro sugere uma visão do que é o setor a partir das histórias contadas por pessoas envolvidas com o dia a dia do segmento eletrônico. É esse mesmo o objetivo da obra? Se sim, por quê?
Tiago Baeta – Exatamente. O livro não tem como objetivo ensinar nada. Nosso único objetivo é proporcionar leituras independentes, prazerosas, para ler em um momento de descanso. Aprender de forma divertida e conhecer o lado mais pessoal de algumas referências do nosso mercado.

Blog da JET – A partir das crônicas, dá para pintar o cenário do comércio eletrônico e a forma como ele muda o paradigma que formava o mercado?
Tiago Baeta – Sim. As crônicas mostram bem a reação do mercado com o fenômeno do comércio eletrônico. A experiência que cada segmento da cadeia do comércio eletrônico viveu nesses primeiros anos que formou a cultura do nosso mercado.

Blog da JET – Já faz um ano que o projeto existe. De lá para cá, quais foram as principais evoluções do e-commerce nacional?
Tiago Baeta – O crescimento do número de consumidores on-line ainda chama muita atenção, assim como o contínuo crescimento do e-commerce. Em paralelo, é válido destacar o disparo do segmento da moda, a preocupação, escalabilidade, o profissionalismo para as datas comemorativas, o social commerce, a facilidade do crédito e do pagamento e, principalmente, o surgimento das compras coletivas.

Blog da JET – O e-commerce brasileiro se desenvolveu muito, está consolidado e já há alguns anos registra crescimento de dois dígitos, mas o caminho ainda é longo, principalmente se analisarmos que nem metade dos cerca de 75 milhões de internautas são consumidores virtuais. Na sua visão, o que ainda falta para uma maior adesão dos brasileiros ao comércio eletrônico?
Tiago Baeta – É questão de tempo. É saudável que a adesão do público brasileiro seja equilibrado com o crescimento da estrutura do e-commerce. Quem está fazendo um bom trabalho, não pode reclamar da falta de consumidores on-line.

Blog da JET – Quais são as principais falhas de gestão dos empresários de lojas virtuais brasileiras e como elas prejudicam a evolução do setor?
Tiago Baeta – Seria muito equivocado dizer quais são as principais falhas. Isso depende muito da visão de cada área. Mas o que me incomoda bastante é a falta de troca de experiência do mercado. Poderíamos crescer mais juntos se houvesse mais troca de informação e experiência entre os principais players.

Blog da JET – Como você imagina o comércio eletrônico no Brasil nos próximos anos? Na sua visão, quais são as tendências que o mercado irá exigir das compras on-line?
Tiago Baeta – Sem dúvida a experiência multicanal. Estamos começando a integrar todos os canais de relacionamento com o consumidor e gerando uma experiência única com a marca, independente de onde o consumidor esteja.

Compartilhe