Skip to main content
DESTAQUEGestão

Desafios da conexão: Camila Couto, head de RH da JET, aborda as mudanças no ambiente de trabalho

By 04/05/2022maio 6th, 2022No Comments

Camila Couto, head de RH da JET, foi a convidada do episódio de estreia da websérie Desafios da Conexão, realizada pela Netglobe.

Num bate-papo bastante enriquecedor com o CEO da empresa, Renato Batista, ela abordou as mudanças que estão acontecendo no ambiente corporativo das empresas.

Valendo-se de sua experiência na área e do fato de atuar numa empresa que tem o capital humano como um de seus pilares, a especialista enfatizou que, apesar do emprego da tecnologia, que faz cada vez mais parte do nosso dia a dia, é essencial manter o foco nas pessoas.

Como observou Renato Batista, as empresas devem estar atentas às novas formas de interação com seus colaboradores, uma vez que as mudanças decorrentes da pandemia exigem que se formulem novas políticas para a atração e o engajamento das equipes.

“No mundo tech estamos em ambientes diferentes, mas conectados, e isso exige alguns cuidados. É extremamente relevante que o profissional busque aperfeiçoar a sua comunicação, porque precisa saber se expressar”, pontuou Camila, observando que isso é importante para que a pessoa realmente estabeleça um relacionamento com seus interlocutores.

A especialista alertou que, para isso, é preciso ter atenção com a postura assumida, por exemplo, nas reuniões online. “A câmera deve estar aberta e o profissional deve participar efetivamente, dar sugestões, enfim, precisa estar dedicado à tarefa naquele momento e não realizando outras atividades”, recomendou.

Ao abordar a questão da liderança, Camila comentou que hoje o gestor precisa ter um papel de facilitador dos problemas de seus colaboradores. Segundo ela, essa tarefa pode ser dificultada pelo trabalho remoto, uma vez que não está mais acompanhando o dia a dia da pessoa na empresa.

Um ponto central, então, é o líder conseguir transmitir confiança para sua equipe, que deve entender que existe uma preocupação efetiva com cada colaborador do time.

E o ambiente híbrido?

Depois de praticamente dois anos trabalhando à distância, hoje empresas e colaboradores têm como experienciar novas formas de atuação, optando por modelos diferenciados.

Ao tomar suas decisões neste sentido, as empresas devem atentar para o fato de que as pessoas são diferentes e, portanto, têm características distintas.

Como exemplo, Camila citou que o time de RH, por exemplo, prefere muitas vezes o trabalho presencial. Os profissionais de tecnologia, contudo, sentem-se mais à vontade e são mais produtivos no home office.

A especialista observa que é importante avaliar também o nível de maturidade do colaborador, tempo de carreira, de empresa etc. “A adequação depende de uma série de fatores, então, temos que fazer análises mais criteriosas”, afirmou, lembrando que a palavra-chave é buscar o equilíbrio, porque o mais importante é aproveitar o melhor de cada um dos modelos.

Veja abaixo a íntegra deste primeiro episódio da websérie:

Compartilhe